Em todo o mundo, expande-se o uso da ureia

A ureia é componente fundamental da atual estratégia de desenvolvimento dos agronegócios, seja como ingrediente dos fertilizantes – constitui a principal fonte de nitrogênio, nutriente essencial para as lavouras -, seja como integrante da alimentação do gado.

Só isso já justificaria a expansão de seu uso: afinal, não há como deixar de recorrer a um composto que eleva a produtividade de uma atividade indispensável para nossa vida, como é o caso da produção de alimentos. Expansão, inclusive, ainda mais facilmente explicável no Brasil, hoje um dos principais polos mundiais dos agronegócios.

Mas esse crescimento não se restringe ao mercado brasileiro: segundo dados da consultoria GlobalData, em 2030 a oferta global de ureia deve superar a marca de 300 milhões de toneladas por ano (foram 218 milhões de t/ano em 2019). Para sustentar essa aplicação, entrarão em operação nos próximos anos quase cem novas plantas focadas em sua produção.

Mas a ureia tem aplicações em vários outros setores, além dos agronegócios: entre eles, as indústrias farmacêutica e de produtos de higiene e limpeza, que, respectivamente, a colocam como ingrediente das formulações de produtos para a pele, e de xampus e condicionadores, entre outros itens.

Ela aparece ainda na manufatura de plásticos: por exemplo, nas resinas compostas por ureia e formol, utilizadas como aglomerantes na produção de painéis de madeira. E tem aplicações químicas – como a produção de tintas, adesivos e impermeabilizantes -, além de ser empregada no beneficiamento de couro e no setor têxtil.

Finalmente, é preciso destacar uma aplicação muito específica, embora nem por isso menos relevante: uma versão com alta pureza da ureia é o componente básico do Arla 32, como é tecnicamente denominado o Agente Redutor Líquido Automotivo de uso hoje obrigatório na grande maioria dos caminhões e ônibus produzidos no Brasil.

Injetado no sistema de escapamento desses veículos, o Arla 32 reduz em 98% a quantidade de óxidos de nitrogênio que eles normalmente emitiriam, colaborando com a diminuição da poluição e ao mesmo tempo reduzindo o consumo de combustível.

Propriedades

A ureia é um composto orgânico cristalino, incolor, cuja fórmula é (NH2)2CO. Com ponto de fusão próximo a 133 °C, e ponto de ebulição de 135 ºC, é solúvel em água e em álcool.

Foi descoberta no final do século 18, e sintetizada artificialmente pela primeira vez em 1828, pelo químico alemão Friedrich Wöhler. Foi essa a primeira síntese de um composto orgânico a partir de elementos inorgânicos (no caso, o cianato de amônio). E, com ela, deixou se ser válida a teoria até então aceita – denominada ‘vitalismo’ -, que afirmava que, embora pudessem ser modificados, os compostos orgânicos eram produzidos somente por organismos vivos.

Em escala industrial, sua produção hoje decorre majoritariamente da reação, sob temperatura e pressão elevadas, entre a amônia e o gás carbônico, da qual resulta o carbamato de amônio, subsequentemente desidratado para gerar a ureia.

A ureia da Usiquímica

O metabolismo do organismo humano – e de grande parte dos mamíferos -, também produz a ureia: ela é gerada no fígado, filtradas nos rins, e posteriormente eliminada pela urina e pelo suor. Folhas e sementes de numerosos legumes e cereais também contêm ureia.

A Usiquímica fornece ureia em três versões. Uma delas, a Solução aquosa a 45%. Outra, a Ureia Técnica, comercializada como um sólido cristalino em forma de pérolas, de cor branca, e inodoro – ou com um leve odor de amônia -, no qual o nitrogênio aparece em concentração de 46%.

Já a Ureia Grau Arla – também conhecida como Ureia Grau Automotivo -, é, conforme determinam as normas legais, disponibilizada em solução aquosa feita em água desmineralizada, com concentração de 32,5% de ureia técnica de alta pureza. Também o Arla 32, formulado com essa Ureia Grau Automotivo, faz parte do portfolio da empresa.

Mais informações sobre nossas soluções de ureia clique aqui.

Deixe uma resposta